Por que o mercado está precisando de profissionais de contabilidade?

Em meio à crise econômica, o analista contábil se transformou em um profissional central para as empresas brasileiras. No entanto, embora se trate de uma profissão bastante tradicional no Brasil, os contadores disponíveis no mercado de trabalho não possuem o perfil buscado pelas novas empresas e assessorias do ramo.

Ainda muito restritos à área operacional e com poucos conhecimentos de língua estrangeira, principalmente do inglês, o perfil tradicional do contador está se tornando obsoleto. As novas tecnologias de gestão com sistemas integrados que passaram a automatizar várias rotinas contábeis começam a prescindir do perfil operacional. E o progressivo processo de internacionalização das empresas e serviços no país, intensificado, em alguns setores, com a crise, tornam o conhecimento do inglês habilidade indispensável nessa profissão. Porém, atualmente, apenas 5% dos profissionais dessa área conseguem manter uma conversação nesse idioma.

A notícia boa é que sobram vagas para os que se propõem a inovar e a aprender uma segunda língua. O analista contábil, com conhecimentos de inglês, que se apresenta como criador de soluções e estratégias, certamente encontrará um posto no mercado de trabalho brasileiro. Essa é a conclusão a que podemos chegar ao darmos uma olhada nas profissões consideradas em alta em 2017 e nos próximos anos no país, de acordo com as consultorias Manpower Group, Michael Page, Page Personnel e Robert Half.

Diante dos novos desafios das empresas brasileiras, em tempos de crise, tais como a necessidade de corte de gastos e de aumento da produtividade, o analista contábil pode desempenhar um papel-chave no auxílio à tomada de decisões nessas áreas. O seu trabalho cotidiano envolve a análise e classificação de contas, fechamento de balanço e elaboração de relatórios para a diretoria e/ou para os investidores.

De maneira geral, a contabilidade acabou se tornando, nos dias de hoje, um importante instrumento e diferencial no mercado de trabalho mesmo para os que pretendem se direcionar para outros campos de atividades. Nesse sentido, além da profissão de analista contábil, os que possuem conhecimento nesse campo, também podem atuar em outras áreas igualmente consideradas em alta para os próximos anos, de acordo com as consultorias mencionadas acima. Esse profissional pode atuar, por exemplo, como analista de planejamento financeiro ou tributário.

Como planejador financeiro, os conhecimentos contábeis devem ser aliados a conhecimentos na área de finanças, pois esse profissional é o responsável por elaborar diagnósticos e propor soluções financeiras. Já o analista de planejamento tributário, central para o objetivo de redução de custos das empresas, é responsável por propor estratégias referentes à carga tributária a ser paga. Adicionalmente aos conhecimentos contábeis, esse profissional deve ser advogado com conhecimentos aprofundados em direito tributário.

Dessa forma, uma área que, durante bastante tempo, foi desprezada no interior da hierarquia das empresas, a contabilidade vem voltando a adquirir centralidade nos dias atuais. No entanto, atualmente, os conhecimentos de contabilidade devem ser mobilizados de maneira cada vez mais dinâmica e em sintonia com outros setores e objetivos das empresas, não sendo possível se dedicar apenas e integralmente a uma formação nessa área.

Fonte: Jornal Contábil

Simples Nacional: Mudanças em 2018

O programa passou por uma grande reformulação, podendo trazer diversos benefícios para os empresários. Por exemplo, para empresas que possuem o Regime Tributário como Lucro Presumido, poderão solicitar seu enquadramento no Simples Nacional. Veja mais mudanças a seguir:

* O Simples Nacional agora irá contar com apenas cinco grupos de atividades, e com alíquotas de impostos bem distintas. Serviços médicos, design, empresas de tecnologia e outras terão carga tributária reduzida.

*Folha de Pagamento - Se for maior ou igual a 28% do faturamento, a empresa será encaixada no anexo III e possuirá uma alíquota de 6%. 

*Atacadistas de bebidas alcoólicas e pequenos produtores poderão optar pelo Simples Nacional, desde que sejam devidamente inscritos no Ministério da Agricultura.

* Faturamento - O aumento no teto de faturamento de R$3,6 milhões para R$4,8 milhões por ano possui duas vantagens: possibilita que quem já faz parte do Simples possa faturar mais sem medo de ser desenquadrado; e permite que empresas que faturam mais de R$3,6 milhões mas menos que R$4,8 milhões possam fazer parte do Supersimples.

 

Naturalmente, haverá aumento de fiscalização, por isso o empresário deverá ficar atento:  O novo Simples permite a troca de informações entre a Receita Federal, Estadual e Prefeituras, assim, qualquer desencontro de dados acende um alerta para as chances de fiscalização crescerem. O ideal é manter as movimentações financeiras da empresa em dia, e também as obrigações com o governo. 

Reduzindo a carga tributária na sua empresa - Escolha o tipo certo!

A hora de escolher o tipo de carga tributária que a empresa irá optar é uma das partes mais importantes durante a criação de um negócio. É super importante que um profissional qualificado esteja a par de tudo, pois é ele quem irá analisar os custos e simular o melhor regime para que sua empresa reduza custos com os tributos. 

Veja as vantagens e desvantagens de cada regime tributário, e conheça um pouco mais sobre os quatro!

 

Lucro presumido

As empresas poderão optar por esta carga tributária acaso seu faturamento não seja superior a 78 milhões.  A margem de lucro é específica, com suas alíquotas de acordo com o ramo de atividade. Se o lucro for maior do que o presumido pela legislação, ela poderá ser vantajosa para a empresa. Também terá que ser considerado o efeito do PIS e COFINS, pois nesse regime a empresa terá o recolhimento desses impostos pela cumulatividade, com alíquotas menores, mas sem os créditos das compras.

 

Lucro Real

Se a empresa possui faturamento superior a 78 milhões e é voltada para o setor financeiro, a melhor opção é o Lucro Real. o Imposto de Renda e a contribuição social sobre o lucro são determinados a partir do lucro contábil, apurado pela pessoa jurídica e acrescido de ajustes positivos e negativos requeridos pela legislação fiscal. O PIS e COFINS, são determinados (com exceções específicas) através do regime não cumulativo, creditando-se valores de aquisições realizadas de acordo com os parâmetros e limites legais. Neste caso, é aconselhável a empresa possuir um bom acompanhamento de um escritório contábil.

 

Lucro Arbitrado

O Lucro Arbitrado é aplicado pelo Fisco quando a empresa possui uma escrituração imprestável. Neste caso, não é opção, e a tributação é feita de forma arbitrária.

 

Simples Nacional

Este regime oferece alíquotas menores, simplicidade da agenda tributária e não pagamento da quota patronal. Ideal para empresas que possuem receita bruta anual de até 3.600.00,00 e 4.800.000,00 para o ano de 2018. Se o faturamento for menor de 600.000,00, a empresa poderá optar pelo Super Simples.  Para o ano que vem, algumas alíquotas foram majoradas e outras reduzidas, com isso a necessidade de análise da continuidade desse regime ou não, pelas empresas já optantes.

 

Atualizações da NFe 4.0

 

A partir do dia 02 de Abril de 2018, a NF-e sofrerá diversas mudanças em seu Layout. A versão anterior, a 3,0, será desativada.
O preenchimento incorreto da NF-e gerará rejeição da nota e isso poderá causar problemas futuros para a empresa. Fique atento as alterações na hora do preenchimento da nota!

Veja as alterações mais importantes:


Exclusão do Campo clEnq (id:O02) “Classe de enquadramento do IPI para Cigarros e Bebidas”;

Alteração da coluna Observação dos campos cSelo (id:O04) “Código do selo de controle IPI” e cEnq (id:O06)“Código de Enquadramento Legal do IPI”.

Alteração das regras de validação N17b-10, N23b-10, N27b-10 e N23d-10.

Regra de validação N27d-10 para implementação futura.

Inclusão das regras de validação N17b-20, N23b-20 e N27b-20 que impedem que seja informado zero como percentual de FCP ou FCP ST. Os campos relativos ao Fundo de Combate à Pobreza só devem ser informados se o produto estiver sujeito a incidência do mesmo.

Regra de validação YA02-30 substituída pela regra de validação Y07-10.

Regra de validação YA03-10 não se aplica a nota fiscal com finalidade de Ajuste e de Devolução.

Fonte: Portal da Nota Fiscal Eletrônica

Com o EMISSOR SIEG, fica mais fácil preencher a Nota Fiscal sem erros. Nosso sistema está atualizado e devidamente adaptado as novas mudanças da NF-e 4.0. Clique Aqui e fale conosco!

 

Compromissos obrigatórios para 2018

É importante que a  população brasileira fique atenta às mudanças para 2018, tanto no campo social quanto tributário, afirma advogado, mestre em Direito e também Sócio titular do escritório Rodrigues Silva Advogados Associados.

Eleições à Presidência da República, Congresso Nacional, governadores de Estados e Deputados Estaduais. Só a partir do mês de março, a população brasileira saberá, oficialmente, quem irá concorrer aos respectivos cargos.

O cidadão deve, além da escolha do candidato a Presidente, ser muito criterioso  ao votar nos candidatos ao parlamento como senadores, deputados federais e  deputados estaduais. “Eles são peças importantes para tentar melhorar o País”, considera.

E, como escolher? “Pesquisar sobre o candidato, ver as redes sociais e ter a certeza de quem vai te representar possui um caráter de integridade. Ele não pode estar envolvido em escândalos.

Votar em branco ou nulo não é a melhor maneira de manifestação. Esses votos acabam beneficiando alguém que nem sempre será merecedor! Na última eleição, por exemplo muitos candidatos foram eleitos com apenas 100 votos em função do coeficiente de votos para a legenda do partido mais votado. Isso beneficia pessoas que não merecem.

Declaração do Imposto de Renda.  A Receita Federal divulgou algumas normas que já estão valendo para a movimentação financeira do contribuinte neste ano. Portanto, elas serão usadas na declaração a ser feita e entregue em 2018, e fazem parte da Instrução Normativa 1756, do dia 6 de novembro.

Há, pelo menos, cinco pontos que vão alcançar muitos contribuintes: inclusão de filho como dependente em caso de pais separados; facilidades para informar despesas médicas que são dedutíveis do imposto; possibilidade de deduzir o auxílio-doença; isenção sobre envio de dinheiro ao Exterior para despesas com educação e tratamento médico; e critérios para cálculo de multa e juros na falta de recolhimento de imposto na venda de imóvel.

Simples Nacional ou Supersimples, vai passar por drásticas modificações a partir de 1º de janeiro de 2018. Dentre essas serão alteradas valores limites possíveis para estar no modelo tributário e a criação de uma faixa de transição para a saída do Simples para outra tributação.

Essa alteração se deve ao fato do tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às microempresas e empresas de pequeno porte com a lei de 2006 ter possibilitado diversos avanços para esse tipo de empresa. Contudo, existia uma “trava de crescimento”, por não haver um regime transitório desse tipo de empresa para as demais.

O que muda? Novos limites de faturamento – o novo teto de faturamento agora é de R$ 4,8 milhões por ano, mas com uma ressalva: o ICMS e o ISS serão cobrados separados do DAS e com todas as obrigações acessórias de uma empresa normal quando o faturamento exceder R$ 3,6 milhões acumulados nos últimos 12 meses, ficando apenas os impostos federais com recolhimento unificado.

Além disso, mudam as Novas alíquotas e anexos do Simples Nacional – a alíquota inicial permanece a mesma nos anexos de comércio (anexo I), indústria (anexo II) e serviços (anexos III, IV), exceto para o novo anexo V de serviços, que será atualizado e não terá mais relação com o anexo V anterior. No entanto a alíquota tornou-se progressiva na medida em que o faturamento aumenta e não mais fixa por faixa de faturamento. Todas as atividades do anexo V passam a ser tributadas pelo Anexo III. Extingue-se o anexo VI e as atividades passam para o novo anexo V.

Já as novas atividades no Simples Nacional – em 2018, micro e pequenos produtores de bebidas alcoólicas (cervejarias, vinícolas, licores e destilarias) poderão optar pelo Simples Nacional, desde que inscritos no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Para Exportação, licitações e outras atividades – em relação a importação e exportação, as empresas de logística internacional que forem contratadas por empresas do Simples Nacional estão autorizadas a realizar suas atividades de forma simplificada e por meio eletrônico, o que impactará diretamente nos custos do serviço aduaneiro.

E, por fim, a MEI – As duas grandes e principais mudanças são o novo teto de faturamento (até R$ 81.000,00) por ano ou proporcional (nos casos de abertura) e a inclusão do empreendedor rural.

Fonte: Portal Contábeis

CFC publica norma que possibilita substituição da Escrituração Contábil Digital

Foi publicada, no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (8), seção 1, págs. 189 e 190, a Norma Brasileira de Contabilidade, CTSC 03 –  que aprova os procedimentos para elaboração do Relatório sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados referentes ao Termo de Verificação para Fins de Substituição da Escrituração Contábil Digital (ECD).

O Termo de Verificação –  a que se refere a norma –   é o documento que a entidade deve emitir quando houver a necessidade de substituição da Escrituração Contábil Digital (ECD). O SPED, que é o instrumento de unifica as atividades de recepção, validação, armazenamento e autenticação de livros e documentos que integram a escrituração contábil e fiscal dos empresários e das pessoas jurídicas, inclusive imunes ou isentas, mediante fluxo único, computadorizado e de informações, foi instituído pelo Decreto nº 6.022/2007, com alterações pelo Decreto nº 7.979/2013.

O CTSC 03 faz referência ao CTG 2001 – que define as formalidades da escrituração contábil em forma digital para fins de atendimento ao SPED. De acordo com a norma, nos termos do item 15 do CTG 2001, somente pode ser substituída, depois de autenticada pelo SPED, a escrituração contábil em forma digital que contenha erros que não possam ser corrigidos por meio de retificação de lançamento contábil extemporâneo, conforme previsto nos itens 31 a 36 da ITG 2000 – Escrituração Contábil.

Os ajustes mais comuns que levam à substituição da ECD, no alcance do CTG 2001, são os decorrentes de:  ajustes no formato eletrônico das informações contábeis, sem alterações dos saldos previamente publicados; problemas na interface das informações; e abertura de subcontas exigidas pela Lei n.º 12.973/2014, desde que não altere o saldo total da conta.

O relatório se refere ao procedimento de substituição da ECD e não abrange outros documentos a serem entregues no âmbito do SPED, tal como a Escrituração Contábil Fiscal (ECF).

De acordo com o CTSC 03, o auditor independente deve elaborar o Relatório sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados referentes ao Termo de Verificação para Fins de Substituição da Escrituração Contábil Digital (ECD)  para poder assinar o Termo de Verificação.

Esse relatório é para uso exclusivo da entidade, não podendo ser publicado, nem disponibilizado no site da entidade, a fim de evitar que terceiros que não assumiram a responsabilidade pela elaboração ou que não tenham concordado com os procedimentos tenham acesso aos resultados desse trabalho.

Fonte: CFC