A difícil arte de tomar decisões no ambiente corporativo

noticia_95728 Para muitas pessoas, o simples fato de tomar decisões pode se transformar em um verdadeiro conflito. “Será que estou fazendo a coisa certa?”. “Será que a minha decisão implicará em alguma consequência?”. “O que poderá acontecer se eu optar por esta ou aquela alternativa?”. As dúvidas são as mais diversas possíveis e chegar à decisão certa é algo que tira o sono de muitos líderes e empreendedores no universo corporativo. Seja qual for a situação, o líder deve ter a consciência de que, ao escolher uma possibilidade, todas as outras serão deixadas de lado. “Para chegar a alguma solução, ele precisa analisar a aquele momento a partir de uma visão macro e avaliar todos os prós e os contras. Ele também deve considerar o que aquela decisão pode impactar nas pessoas que, por ventura, podem estar envolvidas. Neste contexto, antes de qualquer coisa, é indicado ter cautela para evitar a decisão por impulso ou por motivos emocionais”, orienta o sócio-fundador e diretor comercial da Mega Sistemas Corporativos S.A., Walmir Scaravelli. De acordo com Scaravelli, os líderes nunca devem esquecer que o poder de decidir aquilo que será melhor para a empresa ou para o grupo está em suas mãos e cita algumas características como essenciais para atingir o melhor resultado: caráter, coragem, ética, sabedoria e integridade. “Por outro lado, aqueles que se deixam dominar pela arrogância, insegurança, orgulho ou vaidade tendem ao insucesso na sua escolha”, complementa. Abaixo, o executivo lista dez dicas para chegar às decisões mais acertadas no dia a dia empresarial. 1. Conhecer o problema É extremamente importante buscar informações sobre o assunto em questão para identificar as possíveis soluções e chegar à escolha do caminho que seja a mais indicado para aquele momento. 2. Preocupar-se com o bem-estar a equipe É preciso levar em consideração todas as necessidades das pessoas envolvidas para que elas não sofram consequências graves devido a esta ou aquela decisão. 3. Ter consciência de suas escolhas Os líderes devem ser responsáveis por aquilo que decidem. Afinal, as pessoas não acertam em todos os momentos. Nesse sentido, reconhecer erros e revertê-los rapidamente é imprescindível. 4. Apresentar visão holística Levar em consideração os aspectos emocional, espiritual, físico e mental auxilia a encontrar soluções satisfatórias. 5. Não levar as situações para o lado pessoal Isto é algo extremamente nocivo. Vale ressaltar que as decisões devem ser tomadas para resolver questões corporativas e não problemas que dizem respeito a você. 6. Não sabe o que fazer? Simplesmente, não faça Como já diz a famosa Lei da Física, para toda ação há uma reação. Em casos de dúvida ou insegurança para chegar a alguma decisão, o mais indicado é se abster. Lembre-se: uma vez decidido, não há como escapar do ônus ou do bônus de sua escolha. 7. Mostrar confiança Ser e estar confiante ajuda a acertar na decisão. 8. Considerar as suas limitações Ao conhecê-las a fundo, será mais difícil deixá-las influenciar em suas decisões. Sempre é bom ressaltar que a busca por orientação, seja interna ou externa, também ajuda a chegar a alguma decisão. 9. Não deixar se influenciar Faça suas escolhas a partir de suas convicções e não da opinião e ou da expectativa das outras pessoas. 10. Seja positivo Confie nas suas habilidades e tenha sempre em mente que a sua decisão será para o melhor. Trabalhe para isso.   Fonte: Administradores.com

5 cuidados para lidar com clientes insatisfeitos

  Depois de todo o esforço para escolher bons fornecedores, divulgar seus produtos e garantir o fechamento das compras, não dá para descuidar das eventuais demandas que os clientes ainda tenham no pós-venda. A busca em manter os clientes satisfeitos fica cada vez mais difícil, principalmente com a proliferação das redes sociais e sites de reclamação, que viralizam a insatisfação de seus clientes, causando uma repercussão negativa da sua empresa na internet. Segundo Marcos Nicolau, especialista em qualidade de atendimento da Gerencianet, empresa de soluções em pagamento online, o importante não é esconder as reclamações, mas sim ter um canal aberto para receber os feedbacks e conseguir perceber eventuais falhas no processo. Para isso, Nicolau listou 5 passos que vão ajudar você na busca por clientes promotores da sua empresa. 1. Esteja atento às reclamações Informe canais de contato de fácil acesso e esteja sempre pronto a responder a todo e qualquer comentário. Perceber possíveis insatisfações é o melhor caminho para consertar erros que atrapalham suas vendas, melhorando ainda mais suas estratégias. Um cliente que tem uma rápida resposta do vendedor sente que o atendimento cuidadoso do pré-venda se mantém mesmo após a finalização da transação comercial. Ponha-se, portanto, no lugar do cliente e não demore em se manifestar! 2. Entenda o problema do cliente Compreenda bem qual é o motivo da crítica e entenda que seu negócio é passível de falhas. Aceite as sugestões e busque a origem do problema. Não crie ainda mais conflitos, tentando justificar algum procedimento que não foi bem aceito. Desculpas são necessárias, mas argumentos sem fundamento podem comprometer ainda mais a situação. Lembre-se sempre que educação e respeito são fundamentais! 3. Proponha soluções Tente ao máximo resolver a questão da forma mais confortável possível para o cliente. Faça um atendimento personalizado, entendendo quais são seus gostos e preferências, para propor soluções claras e eficientes. Jamais ignore uma reclamação, por mais simples que ela possa parecer, pois qualquer dado — mesmo que negativo - sobre a sua atuação deve ser entendido como relevante. De nada adianta manter um bom relacionamento de venda se o consumidor tem a impressão de que não é ouvido quando manifesta sua insatisfação. Demonstre disposição para ouvir e sanar o problema. 4. Cumpra com sua palavra Jamais prometa algo que não possa ser cumprido, pois você pode acabar agravando ainda mais a decepção de quem já não vê com simpatia sua loja. Atue sempre com profissionalismo e comprometimento, transformando o desgosto do cliente em uma chance de fidelizar quem já apostou em sua marca no momento da compra. 5. Aprenda e melhore As críticas são os melhores indicadores para que se possa consertar o que há de errado. Uma reclamação fundamentada pode ajudá-lo a ver pontos críticos que você nem sabia que existiam. A identificação de erros é um passo fundamental para a oferta de um serviço de qualidade e o desenvolvimento do seu negócio. Assim, ao descobrir a origem da falha, converse com sua equipe e garanta que o mesmo não acontecerá em uma próxima vez. Um cliente insatisfeito normalmente não se limita apenas a evitar novas compras. Em tempos de explosão das redes sociais, o consumidor que passa por algum dissabor normalmente expõe esses contratempos de forma a atingir um número enorme de pessoas. Trate, então, de usar isso a seu favor: use uma eventual divulgação negativa para reverter a situação, mostrando a seus clientes em potencial seu comprometimento com um ótimo atendimento, resolvendo os problemas com extrema qualidade e rapidez.   Fonte: Administradores.com

Comissão aprova regularização do trabalho feito em casa e com registro no CNPJ

  A Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei (PL 4481/12) que regulariza a situação de pessoas que trabalham em casa, possibilitando a elas o registro no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) com endereço residencial. Pelo texto do projeto, é livre o exercício em casa de profissão liberal, mas com restrições quanto às atividades com eventuais riscos à saúde e à segurança pública. Segundo o autor da proposta, senador Cícero Lucena (PSDB-PB), a modalidade de trabalho home office, que traduzida quer dizer ‘escritório em casa’, esbarra em legislações municipais, obrigando muitos empreendedores terem gastos desnecessários de aluguel ou compra de imóveis. Tendência mundial O relator na comissão, deputado Heuler Cruvinel (PSD-GO), apresentou parecer pela aprovação, argumentando que o home office é uma tendência mundial e ajuda na melhoria da qualidade de vida das pessoas. ‘’Essa modalidade de trabalho é cada vez mais comum nas grandes cidades, pois apresenta inúmeras vantagens, como redução do stress, flexibilidade de horário, melhora da qualidade da alimentação cotidiana, aumento da motivação e da produtividade e redução de custos de transporte e com a compra ou aluguel de imóveis’’, afirmou. Mais produtividade A cake designer Dora Carvalho tem um ateliê em casa desde 2010, mas há mais de 11 anos ela faz seus trabalhos em sua própria residência. Uma das principais vantagens de se trabalhar em casa, na opinião de Dora, é o tempo se tornar mais produtivo. “Eu consigo conciliar o meu trabalho com alguma outra coisa que eu precise resolver: filhos, as coisas de casa que eu tenho que administrar”, explica. “Então, trabalhando em casa, eu consigo deixar tudo funcionando ao mesmo tempo. Se eu tivesse que ir para uma loja ou um ateliê fora e tivesse que voltar para casa para cuidar das coisas domésticas, eu ia perder muito tempo, então trabalhando em casa eu ganho muito tempo’’, disse. Tramitação Agora o projeto segue para análise conclusiva nas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Fonte: Agência Câmara

Entenda as funcionalidades do Conectividade Social

  POST-Conectividade-MPEConectividade Social ICP é um canal de relacionamento eletrônico para troca de informações entre pessoas jurídicas e a Caixa Econômica Federal acerca do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS e outros serviços nele disponíveis. Só é possível acessar o Conectividade Social com o uso do certificado digital ICP Brasil – Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileiras, os quais devem acompanhar as regras de segurança eletrônica instituídas pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação – ITI, e podem ser emitidos em qualquer Autoridade Certificadora. O diretor-presidente do ITI, Renato Martini, explica que um documento eletrônico não é, em absoluto, um documento digitalizado. “Um documento eletrônico nasce digitalmente e realiza todo seu ciclo de vida desta forma. Se impresso, por alguma razão, a bem da verdade, será cópia. O original é digital.” Em sua opinião, o legado que a sociedade produziu nasceu com suporte em papel, a digitalização é cópia do documento físico, e seu descarte ainda é um tabu e de difícil superação em curto prazo. “Todas as mudanças são difíceis, não tenhamos ilusão, e o uso do papel é milenar. Nossa sociedade já produz gigantesca quantidade de documentos que nascem digitalmente, como aNota Fiscal Eletrônica – NF-e”, comenta enfatizando que o mesmo se passa com o Conectividade Social, sistema para recolhimento e declaração do FGTS. “O XML como padrão e formato tem sido a decisão mais adequada e, inclusive, é uma tendência global e não somente local.” A obrigatoriedade da certificação eletrônica para uso do Conectividade Social se deu por meio da Portaria nº 116, de 9 de fevereiro de 2004. A ferramenta, disponibilizada gratuitamente pela Caixa, é utilizado para transmissão, via internet e no ambiente da própria empresa, dos arquivos gerados pelo programa Sistema de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social – Sefip. Antes, toda vez que havia necessidade de prestar informações à Previdência Social, era necessário encaminhar disquetes ao banco. Hoje, todo processo pode ser feito de qualquer lugar que tenha um computador com acesso a internet. Funções Por meio do Conectividade Social também é possível ter acesso aos dados do FGTS dos trabalhadores vinculados à empresa; alterações cadastrais; comunicação de afastamento dos empregados; e transações sobre à transferência de benefícios à sociedade. A  Caixa  Econômica Federal  esclarece, por meio de sua assessoria de imprensa, que o Conectividade Social facilita às empresas o cumprimento de suas obrigações de recolhimento do FGTS e de prestar informações à Previdência Social com redução de custos operacionais, já que há uma conexão direta, via web, entre as empresas e o órgão. “Até a vida do trabalhador demitido ficou mais simples, já que o aviso de demissão e a confirmação da homologação da demissão, feita pela Delegacia Regional do Trabalho - DRT ou pelo sindicato, agora podem ser passados também pela internet. Assim, o trabalhador só precisa ir à agência bancária para receber o saldo de sua conta do FGTS. Não é mais necessário ir à Caixa para dar entrada na solicitação do pagamento.” Outras vantagens do Conectividade Social são: aumento da comodidade, sigilo e segurança das transações com o FGTS; redução da ocorrência de inconsistências e a necessidade de regularizações futuras; aumento da proteção da empresa contra irregularidades; e facilidade do cumprimento das obrigações da empresa para com o FGTS. A empresa que quer que seu escritório contábil preste informações ao INSS pode utilizar o Conectividade Social gerando uma procuração eletrônica. Caso tenha que trocar de contador, basta revogar a procuração eletrônica anterior e conferi-la ao novo profissional. Fonte: Revista Dedução

6 perguntas para avaliar o desempenho do seu negócio em 2014

empresas O ano está quase no fim e todo empreendedor deve separar um tempo para avaliar como foi a performance do seu negócio. Mais importante do que fazer um balanço financeiro do ano que passou, é essencial planejar os gastos futuros. “Raramente as empresas constroem e usam o fluxo de caixa para o futuro. Só registram movimentos financeiros que passaram. Finanças não funcionam só no passado, tem que planejar o futuro”, afirma Marcos Melo, professor de finanças do Ibmec/DF. “Ao avaliar, medir e comparar as informações para saber se 2014 foi bom ou não dá para entender o que deu certo ou não. Para o que não deu certo é possível tomar medidas para o próximo ano”, explica Maurício Galhardo, sócio diretor financeiro da Praxis Business. Para João Carlos Natal, consultor do Sebrae-SP, o empreendedor também deve fazer uma auto avaliação sobre o seu comportamento e gerenciamento da empresa. “Tem empreendedor que não gosta de lidar com a parte financeira do negócio”, cita. Nesse caso, o ideal seria delegar ou terceirizar a tarefa para melhorar a operação da empresa. Veja alguns questionamentos que os especialistas recomendam que donos de uma pequena empresa ou startup deveriam fazer. 1. As metas do ano foram cumpridas? Para que uma empresa cresça de maneira saudável é preciso ter objetivos claros. Para isso, o empreendedor tem que ter um planejamento estratégico e reunir informações sobre o seu negócio. Para Melo, não basta planejar somente para o ano seguinte. “É um planejamento de cinco anos. O que deve acontecer e o que pode afetar a empresa do ponto de vista social? Do ponto de vista demográfico? Em seguida, enumere os próximos objetivos”, ensina Melo. 2. Como foram as vendas? Saber quanto a sua empresa vendeu é essencial para avaliar o desempenho do ano. Por isso, os especialistas afirmam que pequenos empresários devem dedicar um tempo para estabelecer metas e registrar diariamente os lançamentos. Para analisar o ano como todo, o empreendedor deve comparar mês a mês e tentar ver o que afetou as vendas. “Pode ter sido a Copa ou as eleições, por exemplo”, relembra Galhardo. 3. Qual foi o meu lucro? Registrar um volume alto de vendas não é garantia de que a empresa teve lucro. “O empresário pode ter vendido menos e ter lucrado mais. Ou, pode ter vendido mais e não conseguiu lucrar tanto”, afirma Galhardo. Precificar incorretamente ou abusar de descontos são alguns dos motivos mais comuns para um lucro menor. 4. Os preços dos produtos e serviços estão corretos? Para saber se a taxa de conversão e o ticket médio da sua empresa estão bem, é preciso descobrir se os seus produtos estão precificados corretamente. “Essa revisão de custos é necessária tanto para precificar melhor e quanto para saber qual é sua margem de lucro real”, afirma Natal. “Dessa maneira, na hora de analisar os indicadores, o empresário consegue entender melhor o que aconteceu com o público e com a operação”, completa Galhardo. 5. A equipe de funcionários está satisfeita? Os números do negócio não devem ser o único foco do pequeno empresário. “As pessoas só olham para números, mas é preciso fazer uma análise das pessoas e de como está o clima da empresa”, recomenda Galhardo. “Tudo indica que o ano que vem será um pouco apertado. Por isso, é essencial ter uma equipe de funcionários qualificados e capacidade para a retenção talentos”, afirma Melo. 6. Quais foram as minhas falhas? Errar faz parte de qualquer processo e todo empreendedor precisa assumir os seus erros para crescer. “É preciso analisar o que precisa ser melhorado e buscar cursos. Algumas vezes, faltam conhecimentos para que ele possa colocar a habilidade em prática”, afirma Natal. Alguns empresários precisam entender que não podem fazer de tudo e que delegar pode ser uma maneira de profissionalizar o seu negócio.   Fonte: Exame.com

Receita: comprovante terá campo para informação sobre IRRF sobre 13º salário

    A Receita Federal esclareceu que a instrução normativa que modifica o modelo de Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (IRRF) criou uma nova linha para informação relativa ao imposto retido na fonte sobre o décimo terceiro salário. Com essa mudança, as empresas terão que incluir o dado sobre qual foi o imposto de renda retido na fonte sobre o décimo terceiro salário. Essa informação será dada no chamado "quadro de rendimentos sujeitos à tributação exclusiva". "O objetivo é facilitar para os contribuintes. A declaração de ajuste anual está sendo modificada para que seja possível, na hipótese de que imposto retido na fonte tenha sido maior, que a pessoa física possa pedir essa devolução via declaração de ajuste anual", explicou a coordenadora-geral de tributação substituta da Receita Federal, Claudia Pimentel. A nova informação deverá constar a partir do próximo comprovante de rendimentos, que será disponibilizado pelas empresas em 2015. A IN 1522, publicada hoje, beneficia os trabalhadores que têm moléstia grave e, portanto, têm isenção do imposto de renda. Antes da nova regra, segundo a Receita, era mais difícil para o contribuinte pedir a restituição, caso houvesse uma retenção indevida, já que ele precisava usar outro programa para fazer o pedido. "O que acontecia é: se houvesse retenção equivocada da fonte pagadora, ele tinha que ir para um outro programa para pedir restituição. Agora criamos a possibilidade para que ele peça via declaração de ajuste anual", reforçou. Segundo a Receita Federal, os portadores de doenças graves são isentos do Imposto de Renda desde que os rendimentos sejam relativos a aposentadoria, pensão ou reforma (outros rendimentos não são isentos), incluindo a complementação recebida de entidade privada e a pensão alimentícia. Para ser beneficiado, o contribuinte deve ser portador de uma das doenças consideradas graves, como AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), Alienação mental, Cardiopatia grave, Cegueira, Contaminação por radiação, Doença de Paget em estados avançados, Doença de Parkinson, Esclerose múltipla, Espondiloartrose anquilosante, Fibrose cística (Mucoviscidose), Hanseníase, Nefropatia grave, Hepatopatia grave, Neoplasia maligna, Paralisia irreversível e incapacitante, e Tuberculose ativa.   Fonte: Estadão