Contadores que exercem atividade de perícia comprovada podem se registrar no CNPC sem prestar exame

Criado pela Resolução CFC n.° 1.502/2016, o Cadastro Nacional de Peritos Contábeis (CNPC) tem o objetivo de oferecer ao judiciário e à sociedade uma lista de profissionais qualificados que atuam como Peritos Contábeis.

Para os profissionais que possuem experiência comprovada em perícia contábil é possível, até 31 de dezembro, solicitar, conforme a Resolução, registro no Cadastro Nacional de Peritos Contábeis (CNPC), atualmente composto por mais de 4 mil inscritos.

A conselheira do CFC, Sandra Batista, informa que “o CNPC tem proporcionado um rico ambiente de discussão nos estados sobre a perícia e a atuação do perito, frutos de formação de comissão de perícias e de ações desenvolvidas pelos regionais como, por exemplo, a promoção de seminários e cursos e visitas institucionais aos tribunais para divulgar o cadastro”.

Conforme a Resolução, para a validação do cadastro, o contador deverá comprovar experiência em perícia contábil, anexando, no mínimo, a cópia da Ata ou Despacho Judicial, contendo a nomeação e o protocolo de entrega do Laudo Pericial para comprovar a sua atuação como perito do juiz; cópia da Petição com a indicação forma e o protocolo de entrega do Parecer Técnico Pericial para comprovar a atuação como perito assistente indicado pelas partes no processo judicial; cópia do documento que formalizou sua contratação e a entrega do Laudo Pericial ou do Parecer Técnico Pericial para comprovar a atuação como perito em demandas extrajudiciais que envolvam formas alternativas de solução de conflitos; e cópia do ato relativo à sua nomeação ou certidão emitida por órgão policial para comprovar sua atuação como perito oficial em demandas de natureza criminal.

Para os profissionais que não possuem experiência comprovada, o CFC realizou, em agosto, a primeira prova para Peritos Contábeis. Os mais de 700 profissionais inscritos foram avaliados nos conhecimentos relacionados às Normas Brasileiras de Contabilidade Técnica, Profissionais e Interpretações inerentes à Perícia; Legislação sobre a Profissão Contábil; Ética Profissional; Legislação Relacionada ao Processo Civil Aplicada à Perícia; Direito Constitucional, Civil e Processual Civil Afetos à Legislação Profissional, à Prova Pericial e ao Perito; Língua Portuguesa e Redação.

Segundo a conselheira do CFC, Sandra Maria Batista, “o número de candidatos inscritos e que fizeram a prova nos surpreendeu de maneira positiva”. Ainda, segundo Sandra, “tivemos a presença de candidatos em todos os estados e no DF, sem registro de qualquer problema operacional, o que demonstra a preocupação do Sistema CFC/CRCs na condução dos exames”. No próximo ano, ainda que o contador tenha experiência comprovada em perícia contábil, o ingresso no cadastro será somente por meio do Exame de Qualificação Técnica para Perito Contábil.

Fonte: Contadores.cnt

 

Contabilidade – 7 oportunidades que a formação oferece no Brasil (e fora dele)

 

Você sabe dizer quais são as possibilidades que a contabilidade no Brasil oferece para a sua carreira? Talvez se surpreenda pela quantidade de oportunidades geradas a partir da formação superior em Ciências Contábeis. Vamos falar sobre elas neste artigo.

7 possibilidades da contabilidade no Brasil

Você pode ter saído da faculdade com o objetivo de ter seu próprio escritório, mas a atividade não rendeu os desafios que gostaria. Talvez esteja em um momento diferente da carreira, precisando fazer algo novo para injetar motivação no seu dia a dia.

Seja qual for a razão, não é necessário ficar preso no que faz ou, no caso de um recém-formado, fixar-se em apenas uma direção.

A formação em Ciências Contábeis permite ao profissional explorar oportunidades diversas da contabilidade no Brasil e fora dele. Conheça detalhes sobre as principais carreiras da área.

1. Contabilidade fiscal e societária

Aqui, estamos falando da contabilidade tradicional, aquela exercida pelo contador em seu escritório e na assessoria a empresas, seja como terceirizado ou contratado dela.

As funções do profissional vão desde a constituição e registro de empresas até o cumprimento das obrigações acessórias devidas por elas, passando ainda pelos cálculos de guias de impostos e da folha de pagamento.

Essa é a forma mais ampla de atuação do contador, que com seus conhecimentos e habilidades contribui para melhorias na gestão financeira, fiscal e tributária dos negócios.

Dada a variedade de tarefas, a figura do contador generalista aos poucos vai cedendo espaço para o contador especialista. Nesse formato, ele se dedica a determinadas áreas para oferecer um serviço mais focado na solução de uma determinada demanda.

É o que ocorre em escritórios contábeis que oferecem apenas os serviços de abertura de empresas, por exemplo, de cálculo da folha de pagamento e de encargos trabalhistas, ou de análise e projeção financeira.

Nesse último aspecto, o contador profissional trabalha com instrumentos bastante conhecidos para identificar a realidade da empresa no que diz respeito às finanças, como a análise do fluxo de caixa, e auxilia na implantação de métodos de controle de gastos.

Ferramentas modernas e tecnológicas, como sistemas de gestão online com armazenamento das informações na nuvem, são indispensáveis para uma atuação eficiente e produtiva.

Além disso, a especialização pode ser um caminho interessante para enfrentar um mercado cada vez mais concorrido. Como conhecimento não ocupa espaço, assistir a cursos e participar de treinamentos agrega informações úteis para o seu dia a dia.

2. Contabilidade pública

Na área pública, o foco não está no lucro, mas na gestão. Isso significa que, se as despesas ficarem próximas das receitas devido a investimentos realizados em benefício da sociedade, o ente público terá cumprido o seu papel.

Dessa forma, a prestação de contas à sociedade é um dos objetivos dos relatórios contábeis. Eles também são utilizados para subsidiar decisões e, conforme o caso, podem ser instrumentos para responsabilizar agentes públicos.

Ao contador público, cabe contribuir para a maior eficiência na gestão dos recursos, permitindo identificar o que foi gasto e o que está disponível para novos investimentos, de forma que se consiga reduzir a carga tributária e, junto a isso, oferecer melhores serviços à população.

A carreira na contabilidade pública depende de processo seletivo ou de indicação para cargo em comissão. No primeiro caso, há estabilidade, plano para progressão na carreira e um bom salário.

A contabilidade pública permite que o profissional graduado em Ciências Contábeis atue como contador, auditor, perito ou analista.

Desde a publicação da leis/LCP/Lcp101.htm" target="_blank">Lei de Responsabilidade Fiscal, que exige dos administradores a divulgação de relatórios e demonstrativos dos gastos, estados e municípios, suas agências, fundações e autarquias vêm abrindo boas oportunidades de emprego na área.

3. Auditoria contábil

A função de um auditor contábil é analisar os registros contábeis e verificar possíveis falhas de controle ou até mesmo indícios de fraudes ou irregularidades. Ele precisa ter formação em Ciências Contábeis e registro no Conselho Regional de Contabilidade (CRC).

Sua presença costuma ser requisitada em sociedades empresariais, nas quais há incerteza ou desconfiança quanto à precisão da gestão administrativa, patrimonial, fiscal, técnica, financeira, econômica, ética e social.

O trabalho do auditor pode ser solicitado tanto pelo proprietário, quanto por um dos sócios ou ainda por acionistas. A ele é permitido examinar o fluxo de caixa, o balanço patrimonial e a Demonstração de Resultado de Exercício (DRE) , entre outros instrumentos, incluindo informações obtidas com fontes externas.

Junto ao relatório final de auditoria, o profissional deve apresentar sugestões quanto a medidas a adotar para ajustes, correções ou melhorias em processos. Essa é a postura dele esperada quando verifica erros, como aqueles envolvendo cálculos ou a interpretação de leis e normas.

Já quando o auditor contábil identifica uma fraude, o que corresponde a um ato intencional, como manipulação, falsificação ou alteração de registros, é necessário sugerir correções. Caso não sejam atendidas, a ele é permitido renunciar ao caso.

Uma possível denúncia às autoridades competentes não é recomendada, por questões de sigilo profissional. Mas isso deve mudar a partir de julho deste ano, quando deve entrar em vigor da versão em português da chamada Noclar, a norma de Obrigatoriedade de Reporte do Não-cumprimento à Leis e Regulações.

Conforme as novas regras, o ato de reportar irregularidade do cliente deixa de ser considerado como quebra de sigilo. No entanto, permanece a indicação de, primeiro, tentar corrigir a irregularidade. A denúncia prioriza casos graves, como corrupção, suborno e lavagem de dinheiro.

4. Perícia contábil

O papel do perito por vezes é confundido com o do auditor. Realmente, as funções têm muitas semelhanças, mas são carreiras distintas.

A principal diferença é que um perito não é contratado pela empresa para buscar indícios de erros ou fraudes na sua contabilidade. Ele é convocado de forma judicial ou extrajudicial para, na sua investigação, encontrar provas que ofereçam subsídios para esclarecer controvérsias ou solucionar litígios.

Assim como no caso do auditor, a função é de competência exclusiva de contador registrado em Conselho Regional de Contabilidade.Sua atuação segue critérios técnicos e científicos, que culminam em um laudo ou parecer. O instrumento final de seu trabalho é utilizado para atestar a verdade sobre atos e fatos.

Para se tornar um perito contábil, além da formação e registro como contador, é importante mostrar-se apto à função e cultivar boas relações, já que não há concurso público, apenas designação para a tarefa.

A perícia contábil judicial prevê a contratação do contador como pessoa física para atuação como auxiliar do juiz. Já na esfera extrajudicial, o contratado é o escritório contábil, como pessoa jurídica, embora o laudo ou parecer final seja elaborado e assinado pelo perito.

A habilitação junto ao Fórum da comarca e o relacionamento com o juiz ou servidores que o auxiliam é uma boa forma de iniciar na atividade, mas a permanência nela depende da qualidade do serviço prestado.

5. Analista

Não estamos falando do nível ocupado pelo contador em determinadas empresas, que classificam colaboradores de acordo com o tempo de mercado (júnior, analista, sênior, pleno, especialista, etc.).

A função em questão está também relacionada à contabilidade pública e exige a aprovação em concurso público. Com a formação em Ciências Contábeis, é possível se candidatar a cargos como Analista de Finanças e Controle ou mesmo Analista Previdenciário.

No primeiro posto, o profissional terá, entre outras tarefas, a supervisão, coordenação, direção e execução de trabalhos especializados sobre gestão orçamentária, financeira e patrimonial, análise contábil, auditoria contábil e assessoramento especializado, além da perícia dos atos e fatos envolvendo a administração pública.

No segundo, acompanhará processos relacionados aos benefícios previdenciários, além de coordenar as atividades relacionadas à gestão orçamentária, financeira, patrimonial, análise contábil, auditoria contábil, despesas de pessoal, cálculos judiciais, política de investimentos financeiros e gestão da tecnologia e sistemas de informação.

Um atrativo da função de analista público está na remuneração. Conforme o órgão onde houver disputa por vagas, o salário para o cargo pode se aproximar dos R$ 20 mil.

6. Consultor

A atividade de consultoria pode ser exercida de forma exclusiva ou complementar a outro ramo da contabilidade em que você já atue. Ela abre a possibilidade, por exemplo, de oferecerpalestras e treinamentos para empresas e organizações públicas.

Diferentemente da função clássica do contador, o consultor mostra o caminho ao cliente, mas não executa as tarefas. Pode, por exemplo, apontar soluções para problemas pontuais, explicar quais são as melhores práticas de gestão financeira, fiscal e tributária, demonstrando qual o papel do empreendedor para o cumprimento das suas obrigações acessórias.

Também há a possibilidade de ser mais específico em sua abordagem. Um exemplo é o contador consultor que se especializa em serviços de consultoria financeira para formação de preços, para o diagnóstico empresarial ou para o planejamento estratégico do negócio.

Como em outros ramos da contabilidade, estudo, conhecimento e atualização profissional são etapas imprescindíveis para uma carreira de sucesso.

7. Professor de Ciências Contábeis

Agora estamos falando de algo totalmente diferente, mas que pode ser a solução para a carreira de um profissional com perfil mais acadêmico do que operacional.

O desafio é sair da prática para a teoria, transmitir seus conhecimentos para outras pessoas, considerando um grupo heterogêneo e com percepções e dificuldades diferentes.

Como professor, você deixará de ser contador, não fará mais análise de fluxo de caixa, balanço patrimonial, cálculo de impostos e outras atribuições comuns à atividade, mas terá que explicar como realizar tais tarefas.

A pós-graduação é requisito mínimo, o Mestrado pode ser exigido e o Doutorado é desejável. Ou seja, para ser um docente em um curso superior de CIências Contábeis, o caminho pode ser longo, mas recompensador.

E tem mercado? Experimente fazer uma busca rápida em sites de vagas de emprego. Você verá que novas oportunidades surgem semanalmente, em diferentes instituições de ensino pelo Brasil, algumas operando no sistema EaD (educação à distância), no qual o professor presencial é substituído pelo tutor online.

E que tal experimentar a contabilidade internacional?

Se você tem o sonho de fazer carreira internacional na contabilidade, é válido ficar de olho nas oportunidades. Cada país tem suas próprias regras, tanto para entrar quanto para trabalhar nele.

O mais indicado é dar um tiro certeiro, participando de algum processo seletivo para que seu ingresso seja totalmente legalizado, sem dores de cabeça posteriores.

A melhor dica é escolher o país no qual deseja trabalhar e ver quais requisitos necessita preencher. No caso dos Estados Unidos, por exemplo, contadores de outros países podem prestar exame que habilita à certificação como Contador Público naquele país.

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) no Brasil já divulgou um guia em PDF com todas as informações para quem deseja seguir essa carreira. Se ela interessa a você, leia o material com atenção, pois valores do exame e requisitos ao posto mudam nas 55 jurisdições norte-americanas, o que inclui os 50 estados, mais o Distrito de Columbia, Porto Rico, Ilhas Virgens Americanas, Guam e a Comunidade das Ilhas Marianas do Norte.

Faça sua carreira decolar

Apresentamos neste artigo algumas das principais oportunidades da contabilidade no Brasil e no mundo para o profissional oriundo da graduação em Ciências Contábeis. Como é possível perceber, não faltam opções para construir uma carreira de muito sucesso.

Seja contador, perito, auditor, analista ou professor, não importa qual for o caminho escolhido, a dica final é que busque se especializar, tendo como meta ser o melhor profissional possível naquilo que faz.

Com a crescente competitividade neste mercado, só mesmo quem se diferencia de alguma forma consegue prosperar. E se essa diferenciação aparecer na qualidade do serviço prestado, aumentam as chances de reconhecimento, da conquista de mais clientes e, por consequência, da obtenção de maiores ganhos na atividade.

Fonte: Portal Contábeis

Perito Contador: conheça a carreira que está em expansão

ilu-h.jpg.pagespeed.ce.7IBnjHB17N Uma função que necessita constante aprimoramento, a Perícia Contábil vem atraindo cada vez mais a atenção dos profissionais de Contabilidade. O perito contador, contratado pelas partes ou indicado pelo juiz para fazer laudos sobre um determinado caso, é essencial para a solução de litígios na Justiça. Pela definição da Norma Brasileira de Contabilidade, a perícia contábil é “o conjunto de procedimentos técnicos, que tem por objetivo a emissão de laudo sobre questões contábeis, mediante exame, vistoria, indagação, investigação, arbitramento, avaliação ou certificado.” Perito é o Contador regularmente registrado em Conselho Regional de Contabilidade, que exerce a atividade pericial de forma pessoal, devendo ser profundo conhecedor, por suas qualidades e experiência, da matéria periciada. O perito é a pessoa nomeada pelo juiz ou pelas partes (em caso de perícia extrajudicial). NO JUDICIÁRIO A Justiça recorre ao perito contábil quando o juiz necessita de um laudo profissional especializado ou para atender ao pedido de uma das partes envolvidas no processo. Muitas perícias na área da Contabilidade são hoje requeridas principalmente na parte de revisão de encargos financeiros contra bancos, também referentes ao Sistema Financeiro Habitacional, e demais questões como leasing, condomínios, entre outros. A perícia é um meio de prova previsto no Direito, assim como a documental, a testemunhal e a do depoimento pessoal. O perito contábil, além da condição legal, da capacidade técnica e da idoneidade moral, tem uma responsabilidade enorme, já que suas afirmações envolvem interesses e valores consideráveis. No caso de perícia judicial, o prazo estabelecido para a conclusão dos trabalhos, fixado pelo juiz, deve ser cumprido pelo perito-contador como forma de não obstar a celeridade processual. O perito-contador assistente deve cumprir o prazo fixado em lei, para suas manifestações sobre o laudo pericial, de forma a não prejudicar a parte que o indicou. PERÍCIA X AUDITORIA A principal diferença entre auditoria e perícia é que a auditoria opera através de um processo de amostragem, e a perícia sobre um determinado ato, ligado ao patrimônio das entidades físicas ou jurídicas, buscando a apresentação de uma opinião através do laudo pericial. O perito contador atua sobre um caso litigioso, envolvendo duas partes, enquanto que o auditor desenvolve seu trabalho para uma entidade privada ou pública que o contrata para apreciar e emitir parecer sobre controles internos ou demonstrações financeiras. COMPETÊNCIA PROFISSIONAL A perícia contábil, tanto a judicial, como a extrajudicial e a arbitral, é de competência exclusiva de Contador registrado em Conselho Regional de Contabilidade. Competência profissional pressupõe ao perito-contador e ao perito-contador-assistente demonstrar capacidade para pesquisar, examinar, analisar, sintetizar e fundamentar a prova no laudo pericial e no parecer pericial contábil. O contador, na função de perito, deve manter adequado nível de competência profissional, atualizado sobre as Normas Brasileiras deContabilidade (NBC), além das técnicas contábeis, especialmente as aplicáveis à perícia. Na opinião de Xavier, os procedimentos de perícia contábil visam fundamentar as conclusões que serão levadas ao laudo pericial contábil ou parecer contábil, e abrangem, total ou parcialmente, segundo a natureza e a complexidade da matéria, exame, vistoria, indagação, investigação, arbitramento, avaliação e certificação. A Perícia desenvolve-se como um campo de atuação bastante importante para os contadores, na medida em que há uma grande responsabilidade no trabalho. Durante o processo da perícia, três profissionais podem atuar concomitantemente, pois o autor e o réu podem indicar assistentes técnicos para acompanharem o perito indicado pelo juiz. O perito do juiz faz o laudo e submete aos assistentes. Caso um deles discorde, faz um laudo em separado. COMPROVAÇÃO DE HABILITAÇÃO O perito-contador e o perito-contador assistente devem comprovar sua habilitação profissional mediante apresentação de certidão específica, emitida por Conselho Regional de Contabilidade, na forma a ser regulamentada pelo Conselho Federal de Contabilidade. RESPONSABILIDADE DE PAGAMENTO DOS HONORÁRIOS As despesas de perícia fazem parte dos custos processuais, cabendo ás partes prover tais despesas, antecipando-lhe ovalor, que ficará consignado em juízo. EXAMES O perito contábil utilizará, em seus exames, dos registros e demonstrações contábeis (livros diário e razão), podendo, também, servir-se de outros elementos para produção de provas. RESPONSABILIDADE E ZELO O perito-contador e o perito-contador assistente devem conhecer as responsabilidades sociais, éticas, profissionais e legais, às quais estão sujeitos no momento em que aceitam o encargo para a execução de perícias contábeis judiciais, extrajudiciais e arbitrais. CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTAS O perito-contador e o perito-contador assistente, são responsáveis também pelos trabalhos realizados por especialista contratado para a realização de parte da perícia que exija conhecimento específico em outras áreas do conhecimento humano. Tal obrigação assumida pelo perito perante o julgador ou contratante não exime o especialista contratado da responsabilidade pelo trabalho executado. A utilização de serviços de especialistas de outras áreas, quando parte do objeto da perícia assim o requerer, não implica presunção de incapacidade do perito-contador e do perito-contador assistente, devendo tal fato ser, formalmente, relatado no Laudo Pericial Contábil ou no Parecer Pericial Contábil para conhecimento do julgador, das partes ou dos contratantes. São exemplos de trabalho de especialista: programador de computador para desenvolvimento de programas para perícias, inclusive para liquidação de sentenças em ações trabalhistas, apuração de haveres, aferição de diferenças do Sistema Financeiro de Habitação; atuários; especialista contábil em partes específicas da perícia, entre outros. NORMAS As normas da profissão e da atividade do perito contábil são disciplinadas pelas seguintes NBC`s: NBC T 13 – Normas Técnica da Perícia Contábil NBC P 2 – Normas Profissionais de Perito Contábil Fonte: Jornal Contábil